sábado, 12 de janeiro de 2008

As Novas Pesquisas e Descobertas





























Ciclo















Buraco negro
















Esta foto tem um aspecto curioso de um ôlho

Buraco negro caminha em direção ao Sistema Solar

Um buraco negro está se movimentando na Via Láctea, carregando consigo uma velha estrela e seguindo em direção à Terra. A notícia foi divulgada hoje por astrônomos europeus, mas não há motivo para pânico: ele vai demorar 200 milhões de anos para aproximar-se do Sistema Solar, quando deve passar a mil anos-luz do Sol. O buraco negro, conhecido como GRO J1655-40, se desloca pela espiral da Via Láctea na constelação de Escorpião a 400 mil quilômetros por hora, quatro vezes mais rápido do que as estrelas naquela região. Neste momento, ele está entre 6.000 e 9.000 anos-luz de distância --um ano-luz equivale a 10 trilhões de quilômetros.
Segundo os cientistas, essa estrutura cósmica foi criada quando uma estrela várias vezes maior do que o Sol explodiu, criando uma supernova.
Há tipos diferentes de buracos negros. O mais conhecido é o super-massivo, que possui milhões de vezes a massa do Sol e costumam ficar no centro de galáxias. O GRO J1655-40 é do tipo estelar, com uma massa poucas vezes maior que a do Sol.
Os buracos negros são estruturas com atração gravitacional tão forte que nem a luz escapa deles. Eles não podem ser vistos, mas podem ser detectados pela turbulência que geram ao redor.
Neste caso, o telescópio espacial Hubble conseguiu seguir a estrela que acompanha o buraco negro e que está sendo rapidamente engolida conforme avança pela galáxia. A estrela que o acompanha dá uma volta sobre si mesma a cada 2,6 dias. Aparentemente, ela sobreviveu à explosão da estrela que deu origem ao buraco negro, mas está agonizando.
Movimentação
O movimento do GRO J1655-40 se deve ao impulso obtido na explosão da estrela, conforme explicou o pesquisador brasileiro Irapuan Rodrigues, que participou do estudo, à Folha Online. "Ao contrário do que se poderia pensar, nada no Universo é estático", afirma Rodrigues.
"Antes de implodir e se transformar em buraco negro, a estrela possuía um movimento orbital em torno do centro da Via Láctea, como fazem as estrelas em geral", explicou. "No momento da supernova, a explosão pode fornecer um impulso a mais."
Este é apenas o segundo buraco negro encontrado a tamanha velocidade, segundo o astrônomo Felix Mirabel, que descobriu o primeiro buraco negro "ambulante": o XTE J1118+480. Sua pesquisa, porém, foi publicada no dia 13 de setembro de 2001 na revista "Nature" e acabou sendo ofuscada pelos atentados de dois dias antes contra Nova York e Washington.
O buraco negro não deve afetar o Sistema Solar, assim como a chance de ocorrer uma tragédia na Terra é pequena, devido à distância pela qual o buraco negro deve passar.
"A possibilidade de um episódio catastrófico na Terra por causa de buracos negros a grande velocidade é quase zero, em comparação com a probabilidade de um evento catastrófico causado por asteróides ou cometas", afirmou Mirabel.
O resultado das observações do GRO J1655-40 será publicado na próxima edição da revista "Astronomy & Astrophysics"





By Soraya Luz Macedo

2 comentários:

The Ghost. disse...

Ola sou Willian sou um estudante pesquisador sobre vida no UNIVERSO, e queria que vc conhecesse o meu blog sobre nossas teorias.


São interessantes os fatos relacionados a vida. a sua criação ,desenvolvimento ... e perseverança.

dinossauros estintos disse...

pase em meu blog dinossauros estintos.5:heras